terça-feira, 29 de setembro de 2009

A Paz


“Meditei muito tempo sobre o sentido da paz. A paz tão somente deriva dos filhos paridos, das colheitas arrecadadas, da casa até que enfim arrumada. A paz vem-nos da eternidade em que ingressam as coisas acabadas, perfeitas. Paz dos celeiros cheios, das ovelhas que dormem, dos lençóis dobrados, paz que apenas da perfeição nasce, paz do que se torna oferenda a Deus, uma vez bem feito.”
(Antoine Saint-Exupéry)


Entre outras possíveis definições do que seja “paz”, gosto muito dessa por sua descrição simples e nada sobrenatural. Contudo, creio que a paz envolve outros aspectos do ser humano tais como a consciência, ética e, principalmente, fazer opções de vida consoantes a própria essência.

2 comentários:

Ricardo Kersting disse...

Passei muito tempo acreditando que a paz se conquistava. Este foi um grande erro, pelo menos com referência à minha fatia de paz. A paz se constrói, da mesma maneira que se faz com a luz, o conhecimento e o bem viver. Não sei se isso é causa ou consequência.

O texto anterior também fala de paz. "Paz e amor". A conquista de uma geração que foi perdida pelas gerações subsequentes, mas quem tratou de construí-la, certamente guardou dentro si e nada se perdeu..Para quem viveu esse tempo restaram duas opções. Juro que guardei um pedaço de paz em minha retina.
Abraços..

Rapha disse...

O que dizer... não sei... Mas sinto-me bem e grato!

PAZ.