segunda-feira, 27 de outubro de 2008

A Falência do Prazer e do Amor

Beber a vida num trago, e nesse trago
Todas as sensações que a vida dá
Em todas as suas formas [...]
.....................................................................

Dantes eu queria
Embeber-me nas árvores, nas flores,
Sonhar nas rochas, mares, solidões.
Hoje não, fujo dessa idéia louca:
Tudo o que me aproxima do mistério
Confrange-me de horror.
Quero hoje apenas Sensações, muitas, muitas sensações,
De tudo, de todos neste mundo — humanas,
Não outras de delírios panteístas
Mas sim perpétuos choques de prazer
Mudando sempre,
Guardando forte a personalidade
Para sintetizá-las num sentir.
Quero Afogar em bulício, em luz, em vozes,
— Tumultuárias [cousas] usuais —
o sentimento da desolação
Que me enche e me avassala.
Folgaria
De encher num dia, [...] num trago,
A medida dos vícios, inda mesmo
Que fosse condenado eternamente —
Loucura! — ao tal inferno,
A um inferno real. (Fernando Pessoa)

sexta-feira, 10 de outubro de 2008

Ser sensível


A sensibilidade nos traz nuances fantásticas de apreciação da vida, das artes, das pessoas e, principalmente, da natureza. Por outro lado nos faz desenvolver, com o tempo, uma grande rede de “capilares sensíveis” que nos faz perceber e reagir a poucos e mínimos estímulos. Guardamos sensações eternamente, quando o certo seria deixarmos passar e simplesmente esquecê-las. Helena Erthal

A liberdade de criação e o domínio técnico


"Eu costumava dizer aos meus alunos que a disciplina não é necessariamente uma prisão. Ao contrário, ela libera. Você precisa conhecer para ser livre. Quem não conhece, acerta por acaso. Para ser livre, o conhecimento é fundamental. Para se ter a liberdade de criação, é necessário o domínio técnico, que está apoiado, evidentemente, numa disciplina que vai orientar a conquista dos meios."(Renina Katz - Doutora em Artes Plásticas /professora da USP em entrevista com Radha Abramo - Dezembro 2003)

quinta-feira, 9 de outubro de 2008


"Assim, pelo olhos o amor atinge o coração:

Pois os olhos são as vigias do coração,

E os olhos partem para identificar

Aquilo que agradaria ao coração possuir.

E quando se põem de pleno acordo

E firmes, todos os três, em uma decisão,

Nesse momento, nasce o amor perfeito

Daquilo que os olhos tornaram grato ao coração.

Não pode o amor nascer ou ter princípio d'outro modo

Que por este nascimento e início movido pela inclinação

Pela graça e pelo comando

Destes três, e de seu prazer,

Nasce o amor, que com justa esperança

Sai a reconfortar seus amigos

Pois, como todo verdadeiro amante

Sabe, o amor é a perfeita bondade,

Que nasce - não da dúvida - do coração e dos olhos.

Os olhos fazem-no desabrocar, o coração o amadurece:

Amor, fruto de sua vera semente."(autor: Guiraut de Borneilh)