quinta-feira, 14 de janeiro de 2010

Vibração


Ontem li algo sobre “nível expandido de consciência”, no site http://www.portalmonroebrasil.com/ por indicação de um amigo, entusiasmado com o tema. Esse nível de consciência era chamado de “viagens astrais” nos anos 80, a nova abordagem desse tipo de prática sugere diferentes vantagens que podem ser obtidas através do método Monroe.
Na verdade, o que me chamou a atenção não foi exatamente esse assunto, que aliás tive algum contato em minha adolescência, mas sim, quando a pessoa entrevistada fala sobre a vibração energética de cada um, e como a mesma posssui modulações diferenciadas para cada estado de espírito que porventura passamos. Aquela ideia de vibrar “negativo” ou “positivo”.
Acredito que não aconteça tão binariamente assim, a energia que emanamos deve ter seus desdobramentos sim, porém não de forma tão restrita. Concordo que, de acordo com o tipo de vibração, iremos atrair tipos diferentes de situações e pessoas ao nosso convívio e assim, se explicam algumas situações de vida que nos cercam. Por exemplo, quando percebemos uma pessoa que reclama de tudo, e vê problema em todos os setores de sua vida, geralmente é do tipo que tende a ser hipocondríaco e com mania de perseguição...Alguns comentam: “Nossa, tudo acontece com esse cara...”. E acontece mesmo, não é ficção, ele praticamente mentaliza e profetiza, a cada frase sua, as futuras desgraças de sua vida.
Não sou tão mística a ponto de acreditar que se “comanda” exatamente essas coisas, mas faz muita diferença quando nos colocamos num plano mais lúcido, buscando perceber mais antes de rotular pessoas e situações, buscando harmonia e um alinhamento corpo & mente. Yoga, meditação e outras alternativas não são balela, podem mudar diametralmente a forma de viver, pra melhor. Mais do que executar exercícios meditativos e/ou passar dias em um Ashram, precisamos cuidar de nossos pensamentos, e tentarmos, com a disciplina, suprimir o que não nos acrescenta, o que nos faz vibrar de forma ruim, ou seja, tentar expressar seja interna ou externamente somente o que for válido. Fofocas, maledicências ou qualquer outro desrespeito ao próximo, pensado ou verbalizado, devem ser meticulosamente percebidos e assim extirpados de nosso comportamento. Buscar o aprimoramento da percepção, contar com uma disposição positiva diante da vida. Concordo que a empreitada é difícil...Mas vamos tentando, entre um escorregão e alguns passos adiante, chegando mais próximos de algo melhor.

5 comentários:

Michel disse...

Bem dito, Lena! E que beleza de blog: fotos lindas e tudo muito bem disposto!

Michel disse...

Quando li Joseph Campbell, sabia que o nome não me era estranho. Descobri: tem um jornalista americano de quem gosto muito, o Bill Moyers, que fez uma série de entrevistas com ele e, se não estou enganado, fez também um livro sobre ele. Se vc quiser, procuro aqui e te mando.

Marliborges disse...

É verdade, Lena! Penso que trata-se de disciplinar nossos pensamentos, afinal, somos senhores(as) do nosso pensar. Difícil? ah, isso é. Mas o bom é que é possivel. O negócio é dar o primeiro passo, depois a gente segue caminhando e tentando se equilibrar. Adorei o seu Blog, parabéns! Gosto muito de ler e debater sobre esses assuntos. Também já postei alguma coisa nesse sentido. um beijo grande

Marliborges disse...

Ah, esqueci de dizer, já sou sua seguidora,rsrsrsrs, estarei sempre por aqui. bjs

Helena Erthal disse...

Oi Marli,

obrigada por sua visita e comentários, seja bem vinda! Vou te visitar também para trocarmos umas ideias!

beijão